Podcast: Como tudo começou

Você sabe a origem do podcast?

20 anos atrás, Steve Jobs apresentava ao mundo um aparelhinho, um dispositivo pequeno e dissera ele que ali havia mil músicas, “são mil músicas no seu bolso”, ele estava se referindo ao IPOD. E veja bem, mil músicas pode parecer até pouco hoje em dia, ainda mais pra você que tem praticamente o universo musical inteiro (com quase todas as músicas de quase todos os artistas) dentro do seu celular através de aplicativos como o Spotify. Bom mas vamos lá… Fato é que, o tal do IPOD que Jobs apresentava há 20 anos, na época era muito mais do que nossa mente podia imaginar. A gente tava pra lá de satisfeito queimando um cdzinho de 20 faixas no Nero. (Se você não sabe do que eu tô falando, você provavelmente é um ‘millenium’. Fica quieto Enzo).

O tempo passou, e essa história que eu contei aconteceu em 2001, hoje já estamos em 2021, que é o grande ano de uma outra invenção, vocês devem saber do que eu estou falando: Ele tem 7 letras, é pequeno por fora, grande por dentro, e sangra…(tô brincando)… essa piada não vai dar certo, eu tô falando é do PODCAST (essa palavrinha pequena, nascida nos Estados Unidos, que é a fusão entre IPOD, (é daí que vem o POD) e Broadcast (é daí que veio o Cast), pra quem não sabe a tradução de Broadcast é transmissão, em inglês).

O ano do podcast no Brasil

Bom, como eu dizia, 2021 promete ser o ano do podcast no Brasil, mas não é o ano da invenção do podcast (só pra deixar claro e a gente não fazer confusão em cima disso). E se você, inclusive, estiver na podosfera há um pouco mais de tempo, deve estar se perguntando: Ué, mas esse é o ano do podcast, não foi isso que disseram em 2020?… e a minha resposta é: Tá, foi! E disseram em 2019… Mas então por que raios você deve acreditar que 2021 será realmente o grande ano do podcast?

É simples, se você tá lendo esse texto isso significa que você teve que parar por um instante todas as outras coisass que estava fazendo para se concentrar aqui, certo? Pois então, se você estivesse ouvindo essas mesmas coisas sendo faladas dentro um programa de podcast, provavelmente estaria fazendo alguma outra coisa simultaneamente, poderia estar no busão voltando do trampo, ou dando aquela boa pedalada de bicicleta, pode ser também que você estivesse aproveitando para lavar a louça ou fazendo aquela faxina na sua casa (e aí seria bom, você prestar atenção pra não quebrar nada).

A verdade é que não importa o que você estaria fazendo agora, enquanto ouve esse suposto podcast, o que importa mesmo é que o fato de você estar ouvindo esse programinha de áudio enquanto paralelamente faz alguma outra coisa é exatamente o que justifica o fato do PODCAST ser a grande mídia do momento, ou seja, respondendo a pergunta que vale um milhão de dólares, por que esse é o ano do PODCAST? É pela MO-BI-LI-DA-DE (e versatilidade que essa mídia proporciona).

Acontece que, num mundo cada vez mais agilizado, onde as pessoas sentem a necessidade de serem mais e mais produtivas (e não vou entrar na polêmica de dizer se eu acho isso certo ou não. Ah, quer saber? Vou sim! Vou dizer logo, eu acho isso uma grande merda, pra mim ninguém consegue ser produtivo o tempo todo, e essa auto cobrança insana está levando um monte de gente a sofrer de stress, burnout, depressão e outros distúrbios)…então é inegável que o podcast se encaixou como uma luva nesse mundo maluco que a gente vive. Ele realmente consegue otimizar o tempo das pessoas.

E aí, que os maiores veículos de comunicação já perceberam isso, e hoje vários programas da Televisão já possuem uma versão em formato de podcast para os seus programas (esse é o jeito Globo de fazer Podcast, por exemplo). Você consegue ouvir programas como, Conversa com com Bial, Encontro com Fátima, e entre outros… E vamos lá, obrigado Globo, volte sempre, vocês estão ajudando muito na elevação desse alcance que o Podcast começou a ter no Brasil, mas não é bem isso que é um podcast, né, convenhamos… (todo mundo sabe que programa de TV é programa de TV, Podcast é Podcast, e que Zorra Total nunca teve graça nenhuma, por favor né). Bom, mas hoje, talvez graças a TV Globo, até meu pai que é meu pai, já sabe que podcast não é mais de comer (ele já parou de confundir com Breakfast).

Podcast é o teatro da mente!

Há uma frase, muito singela e sintetizadora (eu não vou atribuir, por que não sei quem a falou) que diz que o rádio é o teatro da mente. Eu adoro essas frases, faz a gente parecer muito inteligente, né?  É tipo dizer que o xadrez é esporte da mente (óóóh), que é uma outra frase que costuma ser muito repetida. E eu concordo, acho que existe uma magia no rádio que os outros meios de comunicação não são capazes, e essa magia reside justamente no fato de que é o ouvinte quem faz a cena, é a ele quem a constrói, e esse resultado é incontrolável.

Agora eu queria aproveitar que esse artigo já tá fim para te fazer uma provocação, caro leitor, dos seus dois melhores amigos (presta atenção, pensa nos dois agora – tá difícil? Quer pensar um pouquinho mais? Tá ruim de melhor amigo hein, pensei que ia ser mais fácil), você com certeza sabe o time que eles torcem, em quem eles votam (e tô falando de política, não é de BBB, apesar que você também deve saber pra quem eles torcem no BBB), é possível que você saiba qual cerveja que eles bebem, provavelmente sabe os filmes favoritos, séries e etc. Agora pergunto, você sabe qual o podcast favorito deles? Sim? Não?

Nós que de alguma forma fazemos parte da podosfera, mesmo que só como ouvintes, somos os grandes responsáveis pelo crescimento dessa mídia, e eu tenho certeza que daqui um tempo estaremos todos nos gabando dizendo: quando eu cheguei aqui era tudo mato.

Escrito por Rodrigo Broteiro